15 Crentes imaturos

Estudos Especiais em I Coríntios preparados pelo Rev Silas Matos Pinto
[email protected]

 15º – CRENTES IMATUROS

1º Coríntios 3.1-3 – “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais. Porquanto havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”.

A infância é um período bonito da vida de uma pessoa. Nessa fase da vida tudo o que se fala ou faz é interessante e motivo para risos e alegria. Nessa fase não há preocupações com o futuro ou até mesmo com o presente, pois quando a fome aperta é só pedir ou chorar e logo um adulto fará o possível para saciar sua necessidade da melhor maneira possível. Esse é o período da alegria onde todos os observam com sorriso nos lábios e prontos a fazer afagos e agrados.

A infância é desprovida de responsabilidades. Ninguém exige que uma criança cumpra horários rigorosos ou responda por seus atos como se faz com os adultos. Se ela erra, quebra algo, faz sujeira, faz bagunça… esses atos são vistos até com bons olhos, pois os adultos perceberão nesses atos o desenvolvimento físico e intelectual naturais de uma criança saudável. É a curiosidade que levará a criança às descobertas e ao crescimento sadio. As bagunças são sempre arrumadas por seus pais.

Com o crescimento vêm as responsabilidades e exige-se amadurecimento. Ao adolescente já se exige bastante. Suas tarefas têm de ser efetuadas com esmero e os erros são punidos com certo rigor, mas ainda se leva em conta a sua pouca idade; Quanto aos jovens as exigências são maiores. Seus atos são tidos como de um adulto. Suas atitudes visam a concretização e a consolidação dos seus planos e isso exige uma solidez maior e uma reflexão mais cuidadosa dos atos praticados. Afinal de contas o jovem se prepara para assumir o seu lugar na sociedade como membro dela e ele tem de estar preparado para isto; Do adulto é cobrado que seja responsável e cuidadoso em todas as áreas de sua vida. É requerido do adulto que cumpra com os seus deveres e responda por tudo o que faz. O adulto traz sobre suas costas a responsabilidade pelos seus atos.

A fase adulta é séria e os sorrisos são mais escassos. Por conta disto alguns adultos preferem viver como se fossem crianças. Atitudes infantis em adultos são toleradas e são até engraçadas em certas ocasiões, mas se essas atitudes se tornam permanentes começa-se a despertar preocupação nas pessoas. Um adulto que age o tempo todo como criança precisa de cuidados médicos. O natural é que o adulto cresça e aja como adulto, assumindo as suas responsabilidades e respondendo por seus atos. Se isto não acontece significa que alguma coisa falhou no processo de amadurecimento desse adulto. Algo precisa ser feito.

O homem deixa a vida de perdição e os caminhos mundanos ao se encontrar com Cristo tornando-se um crente. Ele inicia a sua vida cristã como uma criança e passa a aprender as coisas básicas. Nos primeiros meses ele apenas ouve e aprende o que lhe é ensinado, não tendo condições de opinar por conta de sua pouca experiência religiosa. Com o passar do tempo esse crente alcança um nível de crescimento espiritual elevado e passa a ter condições de ensinar o que aprendeu aos novos convertidos, pois deixou o seu estado de imaturidade e alcançou a maturidade espiritual. Esse é o desenvolvimento natural e é o que se espera de todos os convertidos. Acontece que nem sempre é assim e esse processo de crescimento não acontece com todos. Muitas pessoas se tornam cristãs e em sua vida não se percebe crescimento algum. Ele era criança ao se converter e continua a ser criança, mesmo tendo se passado vários anos desde a sua conversão.

É sobre esse assunto que vamos estudar. Nosso tema é CRENTES EXPERIENTES OU CRIANÇAS ESPIRITUAIS ? Essa pergunta recai sobre as pessoas que deveriam agir como adultos e, no entanto, estão agindo como crianças. Do mesmo modo que é ridículo ver um adulto agir como criança no seu dia a dia, também é vergonhoso ver o comportamento de pessoas que apesar do tempo decorrido desde a sua conversão ainda continuam com o velho e vergonhoso discurso: “Eu não posso fazer isso porque não estou preparado!” Essa resposta é de fato vergonhosa e tem de ser abolida da boca de todos os crentes que tem o tempo hábil para já serem experientes. É necessário que estejam prontos a dizer: “Estou preparado! Dê-me a tarefa, pois estou pronto para realizá-la”.
Faça-se essa pergunta: Quando é que como crentes experientes nos portamos como crianças? A primeira resposta que o texto nos dá é que: O CRENTE EXPERIENTE SE PORTA COMO CRIANÇA QUANDO AGE COMO CRIANÇA. É o que Paulo ensina no início desse versículo: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo”.

O argumento parece redundante, mas não é. Tenho uma sobrinha chamada Mara Loiane, hoje ela está casada e já é mãe. A Mara tinha nove meses quando começou a andar e em suas descobertas chegou até a TV. Sobre a mesinha da televisão havia um pano bordado que minha mãe mantinha ali. A Mara puxou o pano e jogou no chão. Dei-lhe um tapinha na mão e recoloquei o pano no lugar. Logo que virei as costas ela fez o mesmo e o tapa foi repetido. Isso aconteceu várias vezes até tirá-la dali. A criança comete erros e é castigada. Repete os mesmos erros e é novamente castigada. Isso é coisa de criança.

Tem crente que age assim. Erra e é castigado. Logo a seguir se esquece da punição e comete o mesmo erro. Agindo assim faz o mesmo que as crianças fazem. Isso qualifica o crente experiente como crente criança. O tempo não o ensina e a experiência não melhora a sua vida, pelo contrário, piora. Ele está sempre repetindo os mesmos erros.
Hebreus 5.12,13, diz: “… Tendes novamente a necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança”. Nesse texto o autor está tratando sobre os crentes imaturos. Eles são caracterizados pela necessidade de se repetir o ensino várias e várias vezes para que haja aprendizado. O alimento recebido por esses é comparado a leite, ou seja, o conteúdo ensinado é o básico, quando já deveriam receber ensino avançado, comparado ao alimento sólido.
Já assisti a vários filmes e gostei de muitos. Mas assisti-los novamente é algo maçante. Não tem graça assistir um filme onde se sabe todo o roteiro. Sabe-se o que vai acontecer e como vai terminar a história. As crianças não têm esse problema. Temos algumas fitas em casa e os meninos assistem repetidas vezes os filmes e nunca se cansam de assisti-los. Eles aprendem com a repetição. Muitos crentes experientes agem como crianças quando necessitam de ouvir as mesmas histórias e os mesmos ensinos repetidas vezes até que consigam apreender o que ouviram. Eles agem como criança, pois muitas vezes, mesmo com as repetições ainda continuam sem aprender.
Paulo disse ao Coríntios: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo”. Paulo estava tratando os crentes coríntios como crianças, pois eles estavam agindo como elas. Ele não pode ensinar assuntos relevantes à fé e também não pode cobrar a responsabilidade cristã deles porque se mostravam infantis. Logo eles que tiveram tantas oportunidades de aprender. Que ouviram o missionário várias vezes no longo tempo que Paulo esteve junto a eles. Também ouviram os ensinos de Apolo e Pedro. Não lhes faltaram mestres. O que lhes faltou foi guardar no coração o que ouviram e colocar em prática para melhor fixar o aprendizado. Faltou-lhes amadurecimento espiritual.

Aos Gálatas (5.16) Paulo disse: “Andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, por que são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer”. A criança não pode andar enquanto é bebê. Com o crescimento a criança começa a dar os primeiros passos. Ela se esforça para ficar em pé, segurando-se nos móveis e logo ela se lança à frente e depois de muitas quedas, dá os primeiros passos. Os passos se iniciam inseguros e cambaleantes e com a repetição deles as pernas se firmam e a criança adquire a habilidade de andar e até de correr. Se a criança não anda é porque possui algum tipo de doença ou limitação física.

Paulo disse: “Andai no Espírito”. O crente criança não sabe andar e necessita da ajuda dos crentes mais antigos. Ele se converteu, mas ainda não tem forças e habilidade para caminhar. Os primeiros passos são naturais. Difíceis mas necessários. O que caracteriza o crente experiente como criança é o fato de agir como criança. Ele já sabe andar, mas prefere engatinhar. Ele tem habilidade de correr, no entanto, não dá os passos “no Espírito” que já pode dar. Por conta disso não cresce. Se mantém como paralítico espiritual e por isso está sempre satisfazendo a vontade da carne. O crente que poderia ser adulto ainda persiste nos costumes de criança e por isso não pode ser comparado a outra coisa, a não ser – CRIANÇA!

Já viram criança dando birra, fazendo bico e calundu? Ela esperneia e grita. Chama a atenção de todos. Se joga no chão e dá aquele show. Emburra e fica sem falar com os outros. As vezes observamos algumas pessoas que gostam de falar alto e chamar a atenção dos irmãos do mesmo modo que as crianças. Quando contrariadas ficam sem falar com os irmãos por conta de probleminhas fúteis. Se agem como criança não podem reclamar quando forem tratadas como crianças.
A Segunda resposta que o texto nos dá é que: O CRENTE EXPERIENTE AGE COMO CRIANÇA QUANDO AGE DE CONFORMIDADE COM A CARNE. “Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais”.

O que seria agir de conformidade com a carne? Ao nascer a criança vai descobrindo que pode conseguir suprir as suas necessidades através do choro. Então ela passa a dominar os seus pais com o choro. Todas as vezes que está cansada de ficar no berço, chora. Se a mãe não lhe dá o que deseja, ela chora. Mais tarde ele descobre que se fizer birra a mãe lhe dá o que deseja, então ela chora. Com o passar dos anos ela se acostuma a seguir os impulsos naturais que levam à satisfação dos seus desejos. Tudo o que tem vontade de fazer ela faz. Ela aprende a obedecer e a satisfazer aos impulsos naturais do seu corpo.

Os impulsos naturais dos homens são contrários à vontade de Deus. Quando o homem caiu em pecado ele se afastou da vontade de Deus e passou a fazer o contrário do que Deus deseja. Esses impulsos naturais são chamados de vontade da carne. Eles são contrários aos princípios cristãos. Os impulsos da carne buscam levar o homem a satisfazer a si mesmo, e uma vez que o homem se satisfaz da forma natural do seu desejo ele faz o que é contrário à vontade de Deus. Sendo assim agir de conformidade com a carne é obedecer aos impulsos naturais da natureza caída e pecaminosa que visa a satisfação dos desejos contrários à vontade de Deus, levando o homem para longe de Deus e para mais perto de sua perdição.

Estava assistindo um desenho animado com meu filho e observei uma verdade dita por uma personagem. O desenho é de um robô que age como gente. Ele ficou descontrolado por algum tempo e depois voltou ao normal e fez um comentário com sua amiga: “Parece que existem duas forças dentro de mim”. A resposta de sua amiga foi: “É isso que te faz humano. Todos temos o mal e o bem dentro de nós. Resta saber qual destas forças é que você vai deixar dominá-lo”.

Todos os homens têm esse desejo natural decaído. Quando o homem se converte ele descobre o erro que praticara por toda vida. Estando consciente desse erro o convertido irá lutar contra essa vontade naturalmente pecaminosa e buscará fazer a vontade de Deus, reprimindo essa vontade natural e fazendo o contrário do que ela o induz, se tornando obediente à vontade de Deus, mesmo que essa obediência a Deus não lhe pareça prazerosa à primeira vista.

Obedecer a Deus é a atitude de um homem espiritual e não do homem carnal. O homem espiritual recebeu em seu coração o Espírito Santo e se deixa dirigir por ele, passando a fazer apenas o que agrada a Deus, mesmo que essas atitudes sejam contrárias ao que ele normalmente faria se obedecesse aos seus impulsos naturais. O homem carnal é aquele que segue os seus impulsos carnais. Ele faz tudo o que lhe dá prazer sem questionar. É possível haver crentes que, mesmo tendo recebido o Espírito Santo ainda continuam nos seus antigos hábitos. É que eles não se dobram diante da autoridade do Espírito Santo para fazer a Sua vontade, e age contrário ao que o Espírito de Deus o induz a agir. Sendo assim ele se torna um Crente carnal.

Farei uma ilustração para você entender. Um mendigo recebeu uma herança e ficou rico. Ficou milionário da noite para o dia. Ele foi tirado das ruas e passou a morar em sua mansão, mas em vez de continuar morando no conforto que sua riqueza lhe dava ele abandonou tudo e voltou a morar nas ruas como quem não tem nada. Ele é rico de fato, mas ainda continua a agir como mendigo.

Assim acontece com o crente carnal. Ele recebe o Espírito Santo enviado por Deus para santificá-lo. Nos primeiros dias de sua conversão há uma explosão de alegria e contentamento com a nova vida. Mas com o passar do tempo ele volta a ter os antigos desejos, como Israel teve saudade das comidas do Egito, e mesmo sendo avisado pelo Espírito Santo do pecado que está para cometer, ainda assim prefere pecar. Sua consciência pesa, ele chora, percebe que errou, mas como ainda age como criança, continua no erro, apesar de estar consciente. Deus não permite que essas atitudes persistam por muito tempo.

Hebreus 5.14, diz: “O alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal”. Esse era o problema dos Coríntios. Eles não podiam se alimentar de alimento sólido por que não podiam suportar. Eles não cresceram. Ainda continuavam discutindo os elementos básicos da fé cristã e não estavam prontos para darem passos mais elevados. Eram crentes carnais. Eles não praticavam o que sabiam ser o correto. Isto é afirmado no texto acima, que os adultos são aqueles que “têm suas faculdades exercitadas, pela prática”.

É comum ver rapazes musculosos andando pelas ruas. Eles se orgulham de seus músculos. Os outros rapazes, que não possuem tais músculos, desejam ser musculosos como os demais, mas se não praticarem os exercícios aeróbicos que os outros praticam, nunca terão seus músculos desenvolvidos. Eles possuem os mesmo músculos que os demais, o problema é que eles não os exercitam.

Gálatas 5.19-21, dá uma lista das obras da carne e termina dizendo que “Não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam”. Os perdidos praticam as obras da carne naturalmente, pois são escravos de seus desejos. Eles não conseguem e não podem agir contra a sua natureza. Mas o convertido pode e consegue agir contra essa vontade da carne. Ele apenas precisa lutar com todas as forças que Deus lhe deu e assim sairá dessa luta como vencedor. Ele precisa se exercitar para não se tornar um crente carnal.

É nesse momento que o crente experiente age como criança. Mesmo sabendo que o impulso que está recebendo não vem de Deus e é contrário a sua vontade, ainda assim se deixa vencer e pratica os atos contrários a vontade de Deus. Em vez de se humilhar, se exalta; em vez de ser manso, é bravo e altivo; em vez de ser longânimo é apressado para agir e age de maneira errada. O crente que age assim age como uma criança, pois sabe que deve se deixar dominar pelo Espírito Santo e mesmo assim age dominado pela vontade da carne. Por isso se torna um crente carnal, impossibilitado a realizar as obras que se espera que pratique e incapaz de ser usado como vaso útil para o Reino de Deus.

A terceira resposta que o texto nos dá é que: O CRENTE EXPERIENTE AGE COMO CRIANÇA QUANDO COPIA O MODO DE VIVER DOS INCRÉDULOS. “Porquanto havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”

Acabou de acontecer a São Paulo Fechion Week (Semana da Moda de São Paulo). Nessa feira centenas de modelos femininos e masculinos estiveram desfilando vários modelos de roupas diferentes. Comerciantes de diversas partes do mundo estiveram presentes e compraram milhares de peças, pois sabem que logo que terminar a feira muita gente vai correr para as boutiques para comprar as roupas que foram expostas na feira para ficar por dentro da moda. Qual é roupa da moda? É a roupa que todos os famosos usam. Um usa e todos querem se vestir do mesmo jeito.

Quando eu era rapaz eu caí nessa. Eu tinha uma calça jeans muito bonita da qual eu gostava muito. Meus amigos começaram a cortar suas calças, fazendo buracos nelas e eu fiz o mesmo. Picotei a calça toda. Logo depois de cortá-la eu desci do apartamento e fui para a rua. Me senti uma árvore de natal no mês de junho. Todos me olharam. Voltei imediatamente e cortei a calça, fazendo dela uma bermuda normal. Aprendi na pele que seguir o costume dos incrédulos é fria.

Um ditado popular diz que “a massa é burra”. Isso porque o povão parece não ter vontade própria e sempre segue a vontade da maioria. Parece que teme tomar as decisões que sabe serem corretas por medo de ficar sozinho. Preferem errar com todos a acertar sozinho.

Quando o rei Davi estava prestes a morrer chamou o seu filho Salomão e lhe deu algumas recomendações. Uma delas foi: “Seja corajoso e seja homem!” (1 Reis 2.2). Coragem todo homem tem de ter, principalmente se for um rei cercado de inimigos. Mas ser homem Salomão já era. Que é que Davi queria dizer com esse “Sê Homem”? Para Salomão governar e ser um rei de fato ele não poderia copiar o modo de ser e de viver de outros homens. Ele teria de ser autêntico, ser verdadeiro, ser ele mesmo, ser fiel aos seus princípios. Ele não obedeceu ao que lhe fora dito por seu pai. Salomão não seguiu o conselho do seu pai. Se desviou quando copiou o modo de vida dos reis que o cercavam e a forma de adoração das mulheres com as quais se casou. Ele não foi homem. Ele foi uma cópia de outros homens.

Copiar os outros é coisa de criança. Observe o que acontece quando um menino faz xixi perto de outros. O negócio vira um enchorrada. Todos os outros vão correndo fazer o mesmo. Tem gente que acha que deve fazer o mesmo que todos, mesmo que a atitude seja irracional ou ridícula. Se todos fazem, farei!

Ser diferentes acarreta alguns inconvenientes. Você será sempre notado, criticado e muitas vezes ignorado. Quando vários jovens desejam fazer algo de errado e um deles por ser crente se nega, o grupo se revolta contra ele. Por conta dessa atitude dos amigos muitos jovens abrem mão de suas convicções e acabam realizando aquilo que sabem ser errado para garantir a amizade dos outros jovens. Será que vale a pena?

Os amigos de Daniel passaram por essa situação. Havia uma multidão se curvando diante de uma estátua. Eles a cultuavam por ordem do rei. Mas os jovens optaram por serem fiéis aos seus princípios. Eles sabiam que a adoração a ídolos ofende a Deus e por isso se negaram a obedecer ao rei e seguir a atitude da multidão. Sofreram a represália do rei e foram envergonhados perante todos, mas no final, o nome de Deus foi glorificado por que aqueles jovens preferiram obedecer a Deus em vez de obedecer a homens.

A mesma atitude foi tomado por Pedro e João, diante do Sinédrio. Os judeus queriam que eles desobedecessem aos seus princípios cristãos e obedecessem a eles. Pedro e João optaram por obedecer a Deus, mesmo que por isso tivessem que ser surrados e envergonhados. Como foram fiéis, no final eles exultantes glorificaram a Deus por terem sido dignos de sofrerem por causa de Jesus Cristo.

Outros dois que deram o exemplo foram Josué e Calebe. Eles não repetiram a covardia dos outros dez espias. Eles confiaram em Deus e deram o seu depoimento verdadeiro, dizendo que os gigantes habitavam na terra, mas Deus os faria vencedores. Os dez espias covardes e a multidão dos judeus que não confiaram no Senhor e seguiram a maioria morreram no deserto e somente os dois homens que ousaram não copiar a covardia dos outros é que entraram na terra prometida e foram abençoados por Deus.

Vivemos numa época em que as pessoas deixaram de ser autênticas. Elas usam o que todos usam. Falam gírias que os outros falam. Temem que se não falarem e se vestirem como os demais possam ser excluídos do grupo. Essa foi a preocupação de Paulo ao dizer aos Coríntios “Porquanto havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”

Os Coríntios sabiam que o ciúme é destruidor. Sabiam também que contendas levam a destruição da amizade e da união entre os irmãos. Discussões não resolvem nada e só promovem separações de amigos e de pessoas que se amam. Mas os Coríntios estavam “andando segundo o homem”, ou seja, estavam agindo como qualquer perdido. Sabiam que Deus abomina tais atitudes, mas no momento da raiva brigavam. Não dominavam o seu ímpeto. Em vez de se alegrarem com as vitórias dos outros, ficavam enciumados. Esse é o modo de agir dos incrédulos por não ter Jesus Cristo em seu coração. O crente experiente não age assim porque sabe que essa não é a vontade de Deus. Ele se nega a copiar o modo de vida dos incrédulos, pois optou por seguir ao Mestre Jesus.

Em Gálatas 1.10, Paulo diz: “Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo”. Ele deixa bem claro que copiar o modo de ser e de viver dos incrédulos é um modo de se fazer servo de Satanás. Quem copia o modo de ser dos incrédulos não pode ser servo de Deus, pois os servos de Deus vivem do modo como Jesus Cristo viveu e nos deixou o exemplo para vivermos.

Nosso argumento é que Crentes experientes agem como crianças quando copiam o modo de viver dos incrédulos. Os incrédulos são filhos das trevas e vivem como o seu senhor, o diabo. O diabo veio para matar, roubar e destruir e os seus servos agem para o mesmo fim. Os servos do Senhor seguem o seu Senhor que veio para que tivéssemos vida plena. Na busca por essa obediência os servos do Senhor copiam o modo de viver de Jesus. Mesmo sabendo que nunca serão perfeitos como se deve os servos do Senhor Jesus, procuram andar nos seus passos, pois não desejam ser crianças, mas adultos experientes e úteis.

Deus chamou homens perdidos e lhes deu a salvação. Quando iniciaram a caminhada cristã eram crianças. A vontade de Deus é que os crentes cresçam e se tornem capazes de lutar contra o mal e propagar o Seu Evangelho com adultos.

Foi sobre esse assunto que estudamos. Nosso tema foi CRENTES EXPERIENTES OU CRIANÇAS ESPIRITUAIS? Fizemos uma pergunta: Quando é que como crente experiente tu te portas como uma criança?

1ª – O CRENTE EXPERIENTE SE PORTA COMO CRIANÇA QUANDO AGE COMO CRIANÇA. “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo”.

2ª – O CRENTE EXPERIENTE AGE COMO CRIANÇA QUANDO AGE DE CONFORMIDADE COM A CARNE. “Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais”.

3ª – O CRENTE EXPERIENTE AGE COMO CRIANÇA QUANDO COPIA O MODO DE VIVER DOS INCRÉDULOS. “Porquanto havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”

Seja um crente adulto e preparado. Deixe as coisas de criança para crianças.

3 Comentários em “15 Crentes imaturos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.