Como falar com os filhos sobre as bebidas.

como falar com os filhos

 Bebidas? como falar com os filhos?

Bebidas? Como falar com os filhos? Reconhecendo que os pais exercem grande influência sobre o consumo precoce dos filhos, a cervejaria americana Anheuser-Busch, fabricante da Budweiser, desenvolveu uma cartilha com algumas dicas para se conversar sobre o assunto em casa. A idade ideal para começar a falar no assunto é entre 9 e 11 anos.

Bebidas, como falar com os filhos.

1- Dê o exemplo:
Se você bebe, não cometa exageros. Não se gabe por beber nem menospreze aqueles que não bebem. Não dirija embriagado nem seja tolerante com que o faz. Se você não bebe, converse sobre o álcool e explique o que motivou sua opção.

Bebidas, como falar com os filhos.

2- Seja factual:
Apresente fatos concretos. Como os jovens se consideram indestrutíveis, os efeitos imediatos da bebida são os principais argumentos. Ensine que o álcool atrapalha o desenvolvimento físico e que as crianças ficam alcoolizadas com menos bebida. Por fim, lembre que o consumo antes dos 18 anos é ilegal.

Bebidas, como falar com os filhos.

3- Tenha regras claras:
Você pode decidir se seu filho deve ou não provar uma pequena porção de bebida em festas como Natal ou réveillon. O importante é que haja um padrão. Cada família estabelece seu código de conduta. Se você flagrar seu filho chegando bêbado, não perca a cabeça. É melhor esperar o dia seguinte para conversar.

Bebidas, como falar com os filhos.

4- Seja um bom pai:
Estimular o desenvolvimento da auto-estima e da autoconfiança das crianças é obrigação dos pais. Reserve tempo para ouvi-los e incentive a convivência familiar. Enquanto cresce, a criança deve ser estimulada a assumir decisões e responsabilidades.

Bebidas? Como falar com os filhos?

5- Conheça os amigos de seus filhos:
A necessidade de pertencer a um grupo é comum na adolescência. Não proíba seus filhos de andar com os amigos dos quais você não gosta, mas incentive o contato com seus preferidos.

Bebidas? Como falar com os filhos?

6- Se precisar, peça ajuda:
Caso os esforços dos pais não surtam efeito e o filho insista em consumir álcool, procure atendimento médico. É preciso distinguir consumo de bebida e alcoolismo, mas sintomas como queda do rendimento escolar, depressão e mentiras podem ser indicadores de um início de dependência.

Fonte