Acabou-se o que era doce


ACABOU-SE O QUE ERA DOCE

Êxodo 15.22-27

Deus prova os seus filhos – Dt 13


“ACABOU-SE O QUE ERA DOCE”
parece um título adequado para para este sermão, em razão da primeira prova que os israelitas foram submetidos por Deus, assim que saíram da escravidão do Egito.

Pano de Fundo Histórico: Como vimos nos esboços anteriores, o povo israelita não precisou levantar um dedo para derrotar o poderoso exército do Egito, pois Deus batalhou por eles. No entanto, a caminhada no deserto nunca é fácil, especialmente com mulheres, crianças, idosos, doentes, animais etc. Eles iriam passar por muitas provas, por isso precisavam ser provados (testados) e preparados.

Algo semelhante acontece na vida cristã. Muitas pessoas se mostram animadas em servir a Deus, especialmente no início da caminhada, mas, desde que tudo esteja indo bem, pois quando vêm as provas, geralmente são reprovados e abandonam a fé.

Vamos “entrar” nas CENAS descritas neste trecho das Escrituras para entender melhor esta dinâmica?


PRÉVIA

  • 1º cena: Decepcionados com Deus.
  • 2º cena: Clamando ao Senhor.
  • 3º cena: Fé e Fidelidade.

1º CENA: DECEPCIONADOS COM DEUS (vs 22 a 24)

“Aí Moisés levou o povo de Israel do mar Vermelho para o deserto de Sur. Eles caminharam três dias no deserto e não acharam água. Então chegaram a um lugar chamado Mara, porém não puderam beber a água dali porque era amarga. Por isso aquele lugar era chamado de Mara. O povo reclamou com Moisés e perguntou: —O que vamos beber?”.

Imagine a cena: Quando eles saíram do Egito, provavelmente levaram água para a viagem no deerto, mas depois de três dias ela já tinha acabado.

Todavia eles encontraram um lugar chamado Mara, com bastante água, mas, ao tentarem beber dela, descobriram se tratar de água amarga, imprópria para consumo humano (Mara significa ‘amarga’). Que decepção! A primeira reação do povo foi murmurar. Aparentemente, ninguém pensou em orar ao Deus poderoso que abriu as águas do mar.

Tal como a maioria de nós, as pessoas têm dificuldade de entender o agir de Deus e ficam frustradas quando vêm as provas e os sofrimentos da vida.

Ninguém disse que ia ser fácil, mas muita gente pensa que caminhar com Cristo é um “passeio de luxo”.


2º CENA: MOISÉS CLAMA AO SENHOR (vs 25a)

“Então Moisés, em voz alta, pediu socorro a Deus, o SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou um pedaço de madeira. Moisés jogou a madeira na água, e a água ficou boa de beber.”

Ao contrário do povo, Moisés clamou a Deus. E, mesmo sendo “pesado de boca”, ele clamou em alta voz. Imagine a cena, Moisés gaguejando em alta voz. Por que? Para dar o exemplo, para ensinar àquela gente que o mesmo Deus que os tirou do cativeiro continua agindo em seu favor, bastava clamar ao Senhor.

Da mesma forma que todos os outros, Moisés também estava sofrendo com a falta de água, no entanto, ao contrário do que o povo fez, ele não murmurou, ele orou. Ele orou e não se decepcionou com Deus. E agiu de acordo com as ordens recebidas.

PONTO-CRUZ (use este PC aqui)  – O que é isso?
Todavia, Jesus destruiu todas as barreiras que nos separavam de Deus: “Jesus, porém, tornando a dar um grande grito, entregou seu o espírito. Nisso, o véu do Santuário se rasgou em duas partes, de cima a baixo, a terra tremeu e as rochas se fenderam” (Mateus 27,50-51) 

3º CENA: FÉ E FIDELIDADE (vs 25b a vs 27)

“Foi nesse lugar que o SENHOR Deus deu leis aos israelitas e os pôs à prova. Ele disse: — Se vocês prestarem atenção no que eu digo, se fizerem o que é certo e se guardarem os meus mandamentos, eu não os castigarei com nenhuma das doenças que mandei contra os egípcios. Eu sou o SENHOR, que cura vocês. Depois os israelitas chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras. E acamparam ali, perto da água.”

Igualmente, a raiz hebraica da palavra fé é a mesma raiz da palavra fidelidade (‘õmen). Isso implica em OUVIR COM ATENÇÃO e GUARDAR os estatutos divinos. Não adianta dizer que tem fé se não é fiel ao que Deus ordena.

Se ouvirmos e obedecermos aos Estatutos Divinos, teremos paz em meio às guerras, luz nas trevas, paz no deserto. “A lei do Senhor é perfeita e refrigera a alma” (Salmo 19.7-11).


CONCLUSÃO

Em síntese, Acabou-se o que era doce, e agora? Ninguém nunca disse que seria fácil caminhar com Jesus neste deserto que é a vida humana, por outro lado, Deus tem reservado um descanso para os que têm fé e são fiéis aos Seus Estatutos.

E quanto a você, tem murmurado diante das provas? Tem fé e é fiel?


Título: Acabou-se o que era doce
Autor: Pr Ronaldo Alves Franco
Site do Pastor
Data: 14/06/2021

Deixe seu comentário logo abaixo.


Veja também nossos demais esboços: Esboços

Acabou-se o que era doce

1 Comentário em “Acabou-se o que era doce”

  1. Sidney Ribeiro Balut

    “O SENHOR vosso Deus vos prova para saber se amais o SENHOR vosso Deus de todo o vosso coração e de toda a vossa alma”(Dt 13.3b).

    Parece-nos que em muitas ocasiões quando Deus quer provar a fé de alguém, Ele faz esse alguém passar por privações físicas e/ou espirituais. E que Deus prova a nossa fé, não para nos destruir, mas para retirar dela as sujeiras e escórias e assim purificá-la e fortalecê-la. Mas o processo nos é muitas vezes doloroso. E que a murmuração mostra que há ‘sujeira’ dentro de nós.

    Por isso é que se diz que o deserto é lugar onde Deus fala com o crente, mas é também lugar de prova e crescimento.

    Mais três lições podemos extrair do esboço deste sermão:

    1) CONFIAR EM DEUS AS NOSSAS EXPERIÊNCIAS. As águas de Mara representam as experiências tristes de nossas vidas e que o lançamento da árvore na água, que representa a cruz de Cristo, transforma em doçuras as amarguras da nossa vida. Só Jesus para adocicar a vida do ser humano.

    2)OBEDECER PARA TER SAÚDE. Os israelitas tiveram de obedecer para terem suas enfermidades curadas, assim também os servos de Deus só conservarão a sua saúde física, mental e espiritual se obedecerem ao SENHOR.

    3)PAZ EM MEIO À ANGUSTIA. Elim representa o descanso e refrigério que o crente tem durante a sua vida após a conversão a Cristo.

    Parece-nos que depois da ‘doçura’ da conversão, vêm as provações e que elas no início não são nada ‘doces’ mas que assim vão se tornando à medida que o SENHOR for nos concedendo vitórias.

    Parece-nos também que, no episódio deste sermão, aprendemos dois aspectos divinos(existem outros):o SENHOR é Libertador e Sarador!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.